Francisco Moreno Ariza foi um dirigente sindical de São José dos Campos/SP, preso e
perseguido politico da Ditadura Militar. De rápida ascensão política foi eleito vice-prefeito de São José dos
Campos em 1962. Durante o golpe civil-militar de 64 foi acusado pela classe econômica da cidade de
subversivo e comunista. Com o Ato Institucional Nº 1 Ariza teve seus direitos políticos cassados, impedido
de concorrer a qualquer cargo público. Com o AI-5 foi alvo de intensa perseguição política marcada por
práticas de tortura psicológica. Permaneceu fugitivo das Forças Armadas por mais de três meses.

O ATO INSTITUCIONAL Nº 5 SOB A ÓTICA DE UM SINDICALISTA DE SÃO JOSÉ dos campos-sp

Tags:, , , ,

Este trabalho tem por objetivo a introdução ao tema da relação colaborativa entre as principais
empresas da região do Vale do Paraíba e a ditadura militar. Para isso se propõe primeiramente a
contextualizar a região e o período. Por intermédio de bibliografia especializada busca-se demonstrar que
as características da região do Vale do Paraíba favoreceriam o surgimento de esquemas de colaboração
entre empresas e as forças armadas. Igualmente, no decorrer do trabalho, busca-se expor que a própria
ditadura se arquitetou em torno da colaboração com um setor da sociedade-civil a fim de organizar a
perseguição e repressão ao um outro setor. Somando-se a isso, irá se utilizar de fonte documental que
comprova a existência de reuniões mensais entre os representantes de empresas, representantes das
forças armadas e das polícias militar e civil, no chamado Centro Comunitário de Segurança do Vale do
Paraíba – CECOSE-VP.

Ditadura empresaria-militar; o caso do centro comunitário de segurança do Vale do Paraiba

Tags:, , , ,